sábado, 16 de novembro de 2013

Forma Aberta


 

Na forma aberta típica do Barroco,a construção de linhas diagonais contrasta então com as horizontais e verticais da moldura e determina relações de distância,trazendo um dinamismo às figuras e a um conjunto que agora não parece mais estar contido simplesmente na estrutura de emolduramento.A moldura ,aliás,costuma nas obras barrocas cortar as figuras pelos lados deixando-as pela metade,e em alguns casos as cenas representadas parecem se estender para além dos limites espaciais impostos pela moldura,como se quisessem ganhar o infinito.

Por fim a análise relacionada a multiplicidade e unidade.De certa maneira,estes dois conceitos informam todos os anteriores.Entende-se por multiplicidade o fato já mencionado de que a pintura renascentista é composta de partes distintas e ambientes relativamente diferenciados.A obra apresenta-se internamente seccionada,sendo cada seção plena de sua cor própria,particular e local,e sendo por vezes possível examinar certos grupos e elementos como se fossem pequenos quadros dentro do quadro,separados uns dos outros ainda que mutuamente articulados em uma totalidade maior que unifica a variedade.

Por outro lado,a unidade é o ponto de partida da pintura barroca,muitas vezes obtida por meio da luz forte dirigida.Os elementos internos em uma composição barroca são fundamentalmente ligados,entrelaçam-se e invadem uns aos outros,estão como que profundamente mergulhados em uma unidade maior que pode ser obtida por recursos diversos,que vão desde a unificação pela luz ou pela sombra até a unidade estabelecida a partir do movimento,do entrelaçamento dos planos recessionais ou da difusão de contornos que se perdem em sombras,tornando pouco nítidas as fronteiras e delimitações de elementos que de outra forma poderiam ser isolados como nas pinturas renascentistas.    
           

Nenhum comentário:

Postar um comentário